Como o Pix funciona? Descubra de uma vez por todas

O Pix, sistema de pagamentos instantâneos lançado pelo Banco Central do Brasil em novembro de 2020, revolucionou a forma como realizamos transações financeiras no país. 

Com um funcionamento ágil e seguro, o Pix permite a realização de transações em até 10 segundos, garantindo a segurança dos pagamentos e fornecendo acessibilidade para todos os usuários do sistema financeiro.

Desde o seu lançamento, o Pix tem conquistado cada vez mais adeptos. Atualmente, milhões de brasileiros já utilizam o serviço para transferências, pagamentos de contas e outras transações financeiras. O número de transações realizadas pelo Pix tem crescido exponencialmente, mostrando a aceitação e confiança dos usuários no sistema.

Neste artigo, abordaremos os tópicos mais importantes sobre o Pix, como o seu funcionamento, a segurança envolvida nas transações e a acessibilidade proporcionada pelo sistema. 

Além disso, também explicaremos como o Banco Central atua na regulamentação e fiscalização do Pix, garantindo o bom funcionamento da plataforma.

De forma geral, o Pix funciona como um sistema de pagamentos instantâneos que permite realizar transferências e pagamentos em tempo real, 24 horas por dia, sete dias por semana. 

Para pagar com Pix, basta ter uma chave cadastrada junto a uma instituição financeira autorizada pelo Banco Central, como um banco, uma cooperativa de crédito ou uma fintech. As chaves Pix podem ser o CPF, CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou uma chave aleatória gerada pelo sistema.

Mas afinal, como funciona o Pix? O funcionamento do Pix é bastante simples e intuitivo. Para realizar uma transação, o usuário deve acessar a opção de Pix no aplicativo ou site da instituição financeira, inserir a chave do destinatário e o valor a ser transferido ou pago. 

Em seguida, é só confirmar a operação e aguardar a conclusão da transação, que ocorre em até 10 segundos.

segurança é um dos pilares do Pix, sendo que o Banco Central estabeleceu regras e diretrizes rigorosas para garantir a proteção dos dados dos usuários e a prevenção de fraudes

As instituições participantes do Pix devem seguir os padrões estabelecidos e manter sistemas de segurança atualizados, de modo a assegurar a confiabilidade das transações.

A acessibilidade é outro ponto forte do Pix, uma vez que o sistema possibilita a inclusão financeira de milhões de brasileiros, facilitando o acesso a serviços bancários e permitindo transações sem a necessidade de uma conta bancária tradicional. 

Além disso, o Pix é gratuito para pessoas físicas, tornando-se uma opção vantajosa em relação a outros meios de pagamento e transferência.

Contenidos

Quem pode utilizar o Pix?

Pix é um sistema desenvolvido para ser acessível e inclusivo, permitindo que qualquer pessoa possa utilizá-lo, desde que possua uma chave Pix cadastrada em uma instituição financeira autorizada pelo Banco Central.

Isso significa que, independentemente do perfil socioeconômico ou da localização geográfica, todos têm a oportunidade de usufruir dos benefícios do Pix.

E é comum encontrarmos diversas pessoas perguntando sobre como criar um Pix. Para isso, é necessário ser correntista de uma instituição financeira participante, como bancos, cooperativas de crédito e fintechs. 

O processo de cadastro de uma chave Pix é bastante simples e pode ser feito diretamente pelo aplicativo ou site da instituição escolhida. Basta acessar a seção específica do Pix, seguir as instruções para cadastrar uma chave e aguardar a confirmação.

chave Pix é a forma de identificação do usuário no sistema, que pode ser o CPF, CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou uma chave aleatória gerada pelo sistema. Essa chave torna as transações mais práticas, eliminando a necessidade de informar dados bancários completos, como agência e número da conta.

É importante destacar que, mesmo que uma pessoa não possua uma chave Pix, ainda é possível realizar e receber transações através do sistema, fornecendo os dados bancários completos. No entanto, o uso de uma chave Pix torna o processo mais ágil e simplificado.

Além de pessoas físicas, empresas e organizações também podem utilizar o Pix para facilitar suas transações financeiras. Isso inclui o pagamento de fornecedores, salários, impostos e outras obrigações, além de possibilitar o recebimento de pagamentos de clientes de forma rápida e segura.

O Pix também é uma ótima opção para microempreendedores e profissionais autônomos, que podem utilizar o sistema para receber pagamentos pelos seus serviços ou produtos, sem a necessidade de intermediários e com custos reduzidos em comparação a outras formas de pagamento.

Dessa forma, o Pix se consolida como uma ferramenta democrática e acessível para todas as camadas da população e para diferentes perfis de usuários. Seja para pagar contas, realizar transferências, fazer compras ou receber pagamentos, o Pix se mostra uma opção vantajosa, prática e segura para todos.

Como fazer um pagamento pelo Pix?

O Pix já conquistou a preferência de milhões de brasileiros, alcançando a marca de 138 milhões de usuários e facilitando a vida de pessoas e empresas com transações rápidas, seguras e acessíveis. 

Neste tópico, vamos explicar como fazer Pix e apresentar suas variações, como o Pix QR Code, Pix Agendado e Pix Parcelado.

O processo de realização de um pagamento pelo Pix é bastante simples e intuitivo, e pode ser feito por meio de diferentes plataformas, como aplicativos e sites de instituições financeiras. 

A seguir, apresentamos um passo a passo para realizar um Pix utilizando o aplicativo RecargaPay:

  • Baixe o aplicativo RecargaPay em seu smartphone e instale-o
  • Abra o aplicativo e faça login com sua conta ou crie uma nova
  • Clique em “Fazer Pix” na tela inicial
  • Insira a chave Pix do destinatário ou selecione a opção para ler um QR Code, caso o pagamento seja feito por essa modalidade
  • Confirme os dados do destinatário e insira o valor a ser transferido ou pago
  • Verifique as informações da transação e clique em “Confirmar”
  • Aguarde a conclusão da transação, que ocorrerá em até 10 segundos, e verifique o comprovante de pagamento exibido na tela

Existem algumas variações do Pix que podem ser utilizadas de acordo com a necessidade do usuário. Vamos explicar cada uma delas agora!

O Pix QR Code é uma das formas mais práticas de realizar pagamentos pelo Pix. Nessa modalidade, o usuário paga ou recebe valores por meio da leitura de um QR Code, sem a necessidade de informar a chave Pix. 

Basta selecionar a opção de leitura de QR Code no aplicativo da instituição financeira e apontar a câmera do celular para o código.

Outra opção é o Pix Agendado que permite que o usuário programe uma transação para ser realizada em uma data e horário específicos. Essa opção é ideal para organizar pagamentos futuros, como contas e boletos com vencimento programado. 

Para agendar um Pix, basta selecionar a opção “Agendar Pix” no aplicativo da instituição financeira e seguir as instruções para escolher a data e o horário desejados.

Enquanto o Pix Parcelado é uma funcionalidade que possibilita a realização de pagamentos parcelados pelo Pix. Com essa opção, o usuário pode dividir o valor total de uma compra em parcelas, facilitando o pagamento de produtos ou serviços de maior valor.

Para utilizar o Pix Parcelado, é preciso verificar se a instituição financeira e o estabelecimento comercial oferecem essa modalidade e seguir as instruções específicas para a realização desta operação financeira.

Agora o Pix Cobrança é uma funcionalidade voltada para empresas e prestadores de serviços que desejam emitir cobranças aos seus clientes. Essa opção permite a criação de um QR Code ou o envio de uma cobrança por chave Pix, incluindo informações como valor, data de vencimento e juros por atraso.

Para utilizar o Pix Cobrança, o usuário deve acessar a opção correspondente no aplicativo da instituição financeira e seguir as instruções para gerar ou enviar a cobrança.

O Pix tem algum limite de valor?

Diversas pessoas possuem a dúvida pertinente de “qual o limite do Pix?”. É importante conhecer as três limitações impostas pelo sistema: o limite diário de R$20.000, o mensal de R$40.000 e o noturno de R$1.000.

O limite diário é estabelecido para garantir a segurança nas transações e evitar fraudes. É possível realizar até R$20.000 em transferências por dia, considerando um período de 24 horas. 

Esse valor pode ser ajustado conforme a necessidade e perfil do cliente, desde que a instituição financeira autorize a mudança. O prazo para a alteração do limite depende da política de cada banco.

Assim como o limite diário, o limite mensal também tem como objetivo a segurança das transações e a prevenção de fraudes. Esse limite permite que o usuário realize até R$40.000 em transferências durante um mês inteiro

Da mesma forma que o limite diário, esse valor pode ser ajustado conforme a necessidade e perfil do cliente, sempre com a autorização da instituição financeira. O prazo para a alteração também varia de acordo com a política de cada banco.

O limite noturno visa a proteger os usuários contra possíveis fraudes e golpes durante a madrugada, período em que a vigilância é menor e o risco de ocorrência de atividades ilícitas é maior

Entre 20h e 6h, o usuário pode realizar transações de até R$1.000. Esse valor, assim como os demais, pode ser alterado com a autorização da instituição financeira, respeitando os prazos e políticas do banco.

É interessante ressaltar que o Pix já movimentou mais de 100 milhões de transações desde sua criação, tornando-se uma ferramenta essencial para facilitar pagamentos e transferências no dia a dia dos brasileiros. 

A sua popularidade deve-se, em grande parte, à rapidez e praticidade do sistema, que permite a realização de transações em poucos segundos, a qualquer hora do dia e em qualquer dia da semana, incluindo feriados.

Para alterar os limites do Pix, o cliente deve entrar em contato com a instituição financeira na qual possui conta e seguir os procedimentos indicados pelo banco. É fundamental lembrar que, ao solicitar a alteração dos limites, o usuário deve avaliar sua necessidade real e considerar os riscos envolvidos em transações de valores mais elevados.

É possível fazer um Pix com cartão de crédito?

O Pix, sistema de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo Banco Central, ganhou espaço no cotidiano dos brasileiros por sua praticidade e rapidez. Uma das possibilidades que vem sendo explorada é a realização de Pix com cartão de crédito. 

Como já falamos ao longo do artigo, o Pix é gratuito para pessoas físicas quando realizado entre contas de mesma titularidade ou para pagamentos a terceiros. No entanto, quando falamos em Pix com cartão de crédito, a situação muda

Algumas instituições financeiras podem cobrar taxas específicas para essa modalidade, variando de acordo com o banco e o tipo de cartão utilizado. Portanto, é importante verificar junto à sua instituição as taxas aplicáveis antes de realizar o Pix com cartão de crédito.

Mas quais seriam os prós e contras do Pix no cartão de crédito? Separamos uma lista abaixo!

Prós

  • Facilita a organização financeira, concentrando os gastos no cartão de crédito
  • Permite o pagamento de compras e serviços de forma instantânea e sem burocracia
  • Possibilita o uso do limite do cartão de crédito para realizar transações, o que pode ser útil em situações de emergência ou falta de saldo na conta corrente

Contras

  • Pode haver cobrança de taxas específicas, dependendo da instituição financeira e do tipo de cartão
  • A utilização frequente do Pix no cartão de crédito pode elevar o saldo devedor e impactar negativamente a saúde financeira do usuário
  • O uso excessivo do limite do cartão de crédito pode gerar dívidas e comprometer a capacidade de pagamento do usuário

E como realizar um Pix com cartão de crédito? Veja o passo a passo!

Passo 1: Acesse o aplicativo do seu banco e selecione “Pix”.

Passo 2: Escolha “Pagar” ou “Transferir” e, em “Origem dos recursos”, opte por “Cartão de crédito”.

Passo 3: Insira os dados da transação e confirme a operação.

Passo 4: Autentique a transação, se solicitado, e aguarde a confirmação instantânea.

Lembre-se de que o Pix com cartão de crédito pode ser uma ferramenta útil em determinadas situações, mas é importante estar ciente das taxas e dos riscos envolvidos. Utilize essa opção com responsabilidade e sempre verifique as condições oferecidas pela sua instituição financeira.

O Pix é seguro?

Muitas pessoas se perguntam se o Pix é seguro, havendo o questionamento sobre a  segurança do sistema e as medidas de proteção que garantem a integridade das transações.

O Pix é sim, seguro. O sistema foi desenvolvido pelo Banco Central do Brasil e conta com diversas camadas de proteção para garantir a segurança das transferências. Entre essas medidas, destacam-se a criptografia dos dados, a autenticação dos usuários e a validação das instituições financeiras envolvidas.

No entanto, é importante lembrar que a segurança do Pix também depende do comportamento dos usuários. Isso porque logo após o lançamento dessa modalidade de pagamento surgiu o golpe do Pix.

Ele pode acontecer caso os usuários não tomem os devidos cuidados, como proteger suas informações pessoais e manter os dispositivos utilizados para realizar as transações atualizados e protegidos.

Além das camadas de proteção já mencionadas, o Pix conta com o MED (Mecanismo Especial de Devolução) do Banco Central. Esse mecanismo tem como objetivo garantir a devolução dos valores em casos específicos, como transações realizadas por engano, fraude ou falha operacional. 

O MED é uma funcionalidade que proporciona mais segurança aos usuários do Pix e demonstra a preocupação do Banco Central em proteger os consumidores.

O Mecanismo Especial de Devolução funciona quando uma pessoa identifica que realizou uma transferência Pix indevida, seja por engano ou golpe, solicita a devolução do valor à sua instituição financeira. 

Essa instituição, por sua vez, entrará em contato com a instituição do recebedor do valor, solicitando a devolução. O recebedor tem até 48 horas para concordar ou contestar a devolução. Caso não haja contestação, o valor é automaticamente devolvido ao remetente.

É fundamental destacar que o MED não substitui a necessidade de os usuários adotarem práticas seguras ao utilizar o Pix. Para garantir a segurança nas transações, é preciso estar atento a golpes, proteger informações pessoais e manter os dispositivos utilizados sempre atualizados e com medidas de segurança apropriadas. 

Como também, é importante utilizar senhas fortes e únicas para cada serviço, utilizar a autenticação em duas etapas quando disponível e nunca compartilhar informações sensíveis, como senhas e chaves Pix, com terceiros.

Em caso de suspeita de golpe ou atividade fraudulenta, é fundamental entrar em contato com a instituição financeira o mais rápido possível para relatar o ocorrido e tomar as medidas necessárias. A comunicação ágil com o banco pode ser crucial para minimizar possíveis danos.

Qual o horário do Pix?

Outra dúvida muito comum entre os brasileiros é sobre o horário de funcionamento desse método de pagamento e quais são as novas regras anunciadas para 2023.

De forma geral, o Pix não tem limite de horário, podendo ser utilizado 24 horas por dia, sete dias por semana. No entanto, no ano passado, o Banco Central implementou o limite do Pix noturno como uma medida de segurança para proteger os usuários de possíveis golpes e fraudes.

O limite noturno do Pix estabelece restrições de valores e horários para transferências realizadas entre 20h e 6h. Essa medida tem como objetivo reduzir a vulnerabilidade dos usuários a golpes e sequestros-relâmpago.

Isso porque é nesse período que os criminosos podem tentar se aproveitar do menor fluxo de pessoas nas ruas e da menor disponibilidade de atendimento das instituições financeiras.

Vale ressaltar que o horário Pix noturno não impede a realização de transações durante esse período, o que acontece é que existe apenas uma restrição na quantidade monetária que será movimentada.

O Pix tem taxa?

O Pix tem se destacado pela agilidade e praticidade nas transações financeiras. No entanto, muitas pessoas se perguntam: “quem paga taxa no Pix?”. 

É importante esclarecer que, em geral, o Pix é gratuito para pessoas físicas (PF) e jurídicas (PJ), especialmente no caso do RecargaPay, que não cobra taxas nem de PF, nem de PJ, inclusive ao realizar pagamentos utilizando o Pix QR Code.

No entanto, vale destacar que existe uma exceção à isenção de taxas: o Pix com cartão. Nesse caso específico, o RecargaPay pode cobrar uma taxa pela transação, uma vez que o serviço envolve a intermediação das operadoras de cartão de crédito e débito. 

Portanto, é essencial ficar atento a essas informações ao utilizar o Pix para suas transações financeiras e aproveitar ao máximo os benefícios oferecidos por essa inovadora ferramenta.

Conclusão

Em síntese, o Pix é um sistema de pagamentos que permite a realização de transações financeiras de forma rápida e segura. O Pix pode ser utilizado por qualquer pessoa ou empresa que possua uma conta em uma instituição financeira autorizada a operar com o sistema. Para fazer um pagamento pelo Pix, basta acessar o aplicativo ou site do seu banco, escolher a opção Pix e inserir as informações necessárias, como chave Pix ou dados bancários do destinatário.

Embora o Pix não possua um limite pré-estabelecido de valor, as instituições financeiras podem impor limites de acordo com seus critérios de segurança e políticas internas. Não é possível realizar um Pix utilizando um cartão de crédito, já que o sistema é voltado para transações entre contas correntes, poupanças ou de pagamento. O Pix é considerado seguro, pois utiliza criptografia e autenticação em todas as etapas da transação, garantindo a proteção dos dados dos usuários.

O horário de funcionamento do Pix é 24 horas por dia, sete dias por semana, incluindo feriados. Em relação às taxas, o Pix é gratuito para pessoas físicas nas operações de transferências e pagamentos, podendo haver cobrança apenas em casos específicos, como o recebimento de dinheiro para vendas ou serviços por parte de pessoas físicas. Já para pessoas jurídicas, as instituições financeiras podem cobrar taxas pelos serviços relacionados ao Pix.